Como renegociar dívidas? Veja o que fazer na prática!

renegociar dívidas
renegociar dívidas
Renegociar dívidas é essencial para torná-las mais sustentáveis para o seu orçamento. Apesar disso, muitos não sabem como abordar os credores e dar início ao processo. E, para obter melhores condições, é preciso agir com estratégia. Quando os rendimentos já não comportam todos os seus compromissos financeiros, é preciso recalcular a rota. Antes de qualquer coisa, você deve criar um novo planejamento e, caso ainda não tenha controle sobre as suas finanças, aprender a administrar o seu salário

Por que renegociar dívidas? 

Se você está aqui, provavelmente já tem uma das respostas para essa pergunta. Ora, por que renegociar dívidas? Simples. Para conseguir limpar seu nome. Embora isso seja verdade, há outras vantagens que você deve conhecer.

1. Aumentar o seu score de crédito

Ao apresentar novas propostas aos credores, você estará mais próximo de quitar a dívida e, então, aumentar o seu score de crédito. A pontuação, definida por birôs de crédito, mede a sua reputação enquanto pagador.  Quanto mais alto for o score, mais chances você terá de ser aprovado em empréstimos, financiamentos e outros produtos. Além disso, uma boa reputação também permite que você obtenha juros mais baixos e melhores condições de pagamento.

2. Fazer empréstimos e financiamentos, se quiser

Naturalmente, ao renegociar dívidas, você poderá se reorganizar financeiramente. Logo, se surgir a necessidade de obter um empréstimo ou financiamento, o desafio será menor. Mas, lembre-se: com uma dívida em aberto, é essencial que você seja cauteloso.

3. Trocar dívidas mais caras por dívidas mais baratas

Quando você faz ajustes com o credor ou realiza um empréstimo para quitar um mau endividamento, por exemplo, você estará substituindo dívidas caras por dívidas mais baratas.  Por esse caminho, é possível encontrar prazos melhores e taxas de juros reduzidas. Alguns fazem empréstimo com garantia ou obtêm crédito consignado privado (que oferecem boas condições), quitam a dívida inicial e “gastam menos” para pagar a nova.

4. Obter juros menores 

Se o credor estiver aberto ao diálogo, é provável que você consiga juros menores. Em alguns casos, é possível reduzir até mesmo o montante da dívida. Os feirões realizados pelos birôs de crédito são excelentes oportunidades para iniciar esse processo.

5. Ajustar o prazo de pagamento

Caso o valor seja razoável, mas você precise ajustar o prazo de pagamento, isso também é possível. O importante ao renegociar dívidas é que você identifique qual é o principal entrave no seu pagamento. Se for o prazo, peça mais tempo ao credor.

6. Evitar o crescimento das dívidas

Quando você adapta uma dívida à sua realidade, o pagamento se torna mais fácil. Assim, com o orçamento em ordem, você evitará novas dívidas e o crescimento daquelas que já possui.

7. Organizar as suas finanças

Um trunfo da renegociação é a possibilidade de organizar as suas finanças de uma vez por todas. É importante que você saiba quanto dinheiro recebe por mês, quanto gasta e o que sobra. 

8. Alcançar seus objetivos financeiros

E isso nos leva ao último ponto da lista: com a dívida renegociada, um planejamento financeiro novo em folha e o orçamento em dia, você poderá alimentar seus sonhos.  O endividado muitas vezes tem que pausar objetivos financeiros para não se afogar em juros. Mas, se a situação já está sob controle, você pode continuar a caminhada.
renegociar dívidas
Conversar com o credor sobre as condições da dívida é o melhor caminho para limpar seu nome (Imagem: Gabrielle Henderson via Unsplash)

Como renegociar dívidas e limpar o nome?

Agora que você sabe como é essencial falar com os credores, é hora de entender a melhor forma de conduzir uma negociação. Vamos lá?

1. Saiba o valor real da sua dívida

Primeiramente, conheça o valor real da sua dívida. E, com “valor real”, estamos falando no Custo Efetivo Total (CET). Esse montante envolve a dívida inicial, os juros acumulados e eventuais taxas. Para tanto, busque o canal oficial do agente financeiro onde você contratou o crédito. Em muitos casos, é possível fazer a consulta pela internet.

2. Entenda as condições de renegociação

Uma vez que você der início à renegociação, preste atenção às condições oferecidas. Além disso, sempre confira o CET das propostas. Uma parcela menor com juros mais altos podem tornar a dívida final mais cara, por exemplo.

3. Conheça a Lei do Superendividamento

A Lei do Superendividamento oferece a possibilidade de renegociar todas as dívidas de uma só vez e obter melhores condições de pagamento. A proposta da legislação é viabilizar a quitação e, ao mesmo tempo, preservar as condições básicas de vida do devedor.

4. Negocie uma parcela que caiba no seu bolso

Quando você obter uma nova proposta, avalie se aquela parcela faz sentido no seu orçamento. É indispensável que você aceite apenas condições que possa suportar. E, ao argumentar a favor de uma parcela menor, não tire o olho do CET da dívida.

5. Transfira a sua dívida para outro agente financeiro

Se a tentativa de renegociar dívidas não fluir, saiba que você pode transferi-las para outro agente financeiro com melhores condições. Esse procedimento chama-se portabilidade de crédito e pode ser utilizado a qualquer momento de forma gratuita.  
Conselheiro de empresas, mentor, empreendedor e investidor serial apaixonado por scale-ups e venture capital. Palestrante em diversas iniciativas do ecossistema brasileiro de inovação e empreendedorismo.